Pressão de baixa predomina do mercado do boi gordo 10/02/2017

Boi gordo: Poucas alterações na referência, mas pressão de baixa predomina


A pressão de baixa ainda é o cenário predominante no mercado do boi gordo.

Em São Paulo, a maior parte das ofertas de compra está situada entre R$ 145,00/@ e R$ 146,00/@, à vista. 

Contudo, os negócios e as referências resistem aos preços mais baixos e têm apresentado queda de forma gradual.

As escalas de abate estão relativamente enxutas, e a possibilidade de retenção de boiadas em algumas regiões (melhor capacidade de suporte das pastagens) resultam em um fluxo de negócios mais lento.

Assim, o principal componente da pressão baixista é o mercado da carne. A dificuldade de escoamento da produção tem sido uma constante desde o início do ano.

 

Frango vivo: Alta no mercado de Minas Gerais

A cotação do frango vivo fechou em alta nesta quinta (9), na praça de Minas Gerais. Segundo dados da Avimig (Associação dos Avicultores de Estado), os produtores estão recebendo em média R$ 2,80/kg, após a valorização de R$ 0,05.

Mas, embora a semana tenha sido de ligeira recuperação nas cotações, a ave viva no mercado mineiro ainda apresenta uma perda de 12,70% em reação ao início do ano.

Em São Paulo a última alta ocorreu na quarta (8), deixando o quilo do animal vivo comercializado em R$ 2,60.

Segundo os analistas essa melhora pontual nos negócios reflete a busca por abastecimento do atacado e varejo diante do início de mês e a retomada da rotina, após período de férias da população.

"Os frigoríficos continuam cautelosos em suas aquisições, mas a expectativa é que a demanda ganhe força nos próximos dias e reajustes nos preços não estão descartados".

No atacado esse movimento já é concreto. O levantamento de preço apontou que devido a maior movimentação do varejo para repor os estoques para o início do mês, houve valorização na Grande São Paulo. A carcaça passou de R$ 3,58/kg para os atuais R$ 3,68/kg, uma alta de 2,8% no período.

Suíno vivo: Exportações fortes garantem recorde de preço

As cotações do suíno vivo no mercado independente estão apresentando forte alta neste início de ano, contrariando as expectativas do setor para o primeiro bimestre.

Segundo avaliação do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada) pela segunda vez na história a cotação média - considerando as praças pesquisadas - do animal vivo superou os cinco reais.

"Alguns negócios já são realizados próximos dos R$ 5,30/kg, valor nominal verificado em novembro de 2014 e o mais elevado da série histórica do Cepea, que começou em 2004", diz o Centro em seu boletim semanal.

Para os pesquisadores do Cepea o desempenho das exportações é o grande responsável por esse cenário atípico de alta.

>> Exportações são cruciais para desempenho do setor de carne suína em 2017

Segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, divulgado nesta segunda, o país embarcou 11,3 mil toneladas de carne suína in natura na primeira semana de fevereiro (três dias úteis). Na comparação com igual período do ano passado houve incremento de 27,8% no volume.

"O mercado tem se mostrado bastante firme nos últimos dias. Muitos foram os pedidos de cargas extras e os animais do plantel como um todo estão leves o que nos leva a uma situação positiva ao produtor", conta o gerente geral da Arapé Agroindústria, Roberto Magnabosco.

Fonte: Notícias Agrícolas
Ouvidoria: 0800-724-3080 | Telefone: (18) 3311-0800 | Fax: (18) 3311-0815 | Rua Claudionor Sandoval, 741 - Jd. Paulista - Pres. Prudente-SP
COPYRIGHT © 2012 - Cross Investimentos - Consultoria Empresarial - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por: Luz Própria - Criação de Sites